terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Inspiração do dia: Sempre comigo

Sempre comigo

Em algum lugar, uma voz chama do fundo do meu coração
Que eu possa sempre sonhar os sonhos que tocam meu coração
Tantas lágrimas de tristeza, incontáveis lágrimas rolaram
Mas sei que do outro lado encontrarei você
Toda vez que caímos no chão, olhamos para o céu lá no alto
E acordamos para a sua imensidão azul, como se fosse a primeira vez
Ainda que o caminho é longo e solitário e não enxergamos o fim
Posso abraçar a luz com meus dois braços

Quando digo adeus, meu coração pára, com ternura eu sinto
Que meu corpo silencioso passa a ouvir o que é real
O milagre da vida, o milagre da morte
O vento, a cidade, as flores, todos nós dançamos em união

Em algum lugar, uma voz chama do fundo do meu coração
Continue sonhando seus sonhos, nunca os deixe morrer
Por que falar de sua melancolia ou dos tristes pesares da vida?
Deixe seus lábios cantarem uma linda canção para você
Não esqueceremos a voz sussurrante, em cada lembrança ela ficará
Para sempre, para guiar você
Quando um espelho se quebra, estilhaços se espalham pelo chão
Lampejos de uma vida nova refletem-se por toda parte

Janela de um recomeço, silêncio, nova luz da aurora
Deixe que meu corpo vazio e silencioso seja preenchido e nasça outra vez,
Não é preciso procurar lá fora nem velejar através do mar
Porque brilha aqui dentro de mim, está bem aqui dentro de mim
Encontrei uma luz que está sempre comigo


(Tradução da versão em inglês de "Itsumo nando demo" 
(Sempre, não importa quantas vezes), escrita por Yumi Kimura. 
Música que faz parte da OST de "A Viagem de Chihiro".
Para ouví-la, clique aqui!)

sábado, 14 de janeiro de 2012

Hora de sonhar e descobrir a si mesmo: "A Viagem de Chihiro"

     Lembro de ter visto o trailer de "A viagem de Chihiro" quando eu era viciada na MTV - ou seja, há algum tempinho! O filme, que estreou em 2003, estava sendo muito bem cotado pela crítica, ganhador do Urso de Ouro e Oscar por Melhor Animação, mas, por algum motivo, não lembro por que não fui assistir... Provavelmente pelo cinema da minha cidade ser um tanto, digamos, seleto demais com os filmes a serem exibidos... u.u

     Pois bem, quase 10 anos depois, na tarde chuvosa e fria de hoje, Chihiro explodiu na minha cabeça, e eu saí à procura desesperada para, enfim, assistir... E constatar um grande arrependimento por não ter visto antes!



"A Viagem de Chihiro"
Título original: 千と千尋の神隠し/Sen to Chihiro No Kamikakushi
País de procedência: Japão
Ano de lançamento: 2001
Gênero: Animação
Duração: 122 min
Estúdio: Dentsu Inc./ Mitsubishi Commercial Affairs/ NTV/ Studio Ghibli/ Tokuma Shoten /Touhoku Shinsha
Distribuidora: Europa Filmes / Buena Vista International
Direção e roteiro: Hayao Miyazaki
Produção: Toshio Suzuki
Trilha sonora: Joe Hisaishi
Direção de arte: Youji Takeshige

Breve resumo da história:
     Chihiro é uma menina de 10 anos e, como muitas crianças, medrosa, insegura e um tanto mimada. Tentando agir com indiferença, ela e seus pais viajam rumo a uma nova casa. Porém, de alguma forma, eles acabam seguindo por um caminho que os leva a um antigo parque de diversões. É esse local abandonado e aparentemente pacato que vai fazer com que Chihiro se encontre com o sobrenatural e com  forças que ela nem imagina ter dentro de si própria.



     Uma incrível jornada pela descoberta de si mesma

     Olhando o filme com uma perspectiva adulta, a viagem feita por Chihiro vai muito além de grandes  aventuras em meio a seres místicos e cenários mágicos do imaginário japonês: é, antes de qualquer coisa, uma jornada de amadurecimento e crescimento pessoal.

     Como criança, Chihiro já trás dentro de si a moral em formação e, se por um lado, age de forma "infantil", batendo o pé e "ditando regras" - as típicas falas pontuadas por "quero" e "agora" -, mantém, através de sua inocência, a sinceridade e a humildade em suas formas mais puras, e, diga-se de passagem, bastante testadas durante a história.

     Se o medo faz com que Chihiro se grude à mãe, no início do filme, quase impedindo-a de andar, enquanto atravessam um túnel, ela possivelmente não se reconheceria se pudesse vislumbrar o quão corajosa e resoluta se torna após cruzar uma ponte, encontrar um estranho menino e ingressar em um mundo completamente novo e absolutamente diferente de qualquer coisa que sua imaginação pudesse criar, onde grandes surpresas lhe são reveladas e o valor da verdadeira amizade é posto à prova!



     Quem está acostumado a acompanhar animes, sabe o quanto é importante que cores, ícones da cultura japonesa e trilha sonora devem estar em harmonia para fazer a história alçar voo. "A Viagem de Chihiro" consegue isso magistralmente: monstros terríveis, vilões estranhos, protagonistas cativantes, cenários bem trabalhados, efeitos de animação belíssimos e surpreendentes e trilha sonora comovente. O conjunto disso tudo isso faz com que seja impossível não se emocionar!

     Para mim, "A Viagem de Chihiro" é, sem sombra de dúvidas, um convite à reflexão da complexidade dos sentimentos humanos, uma jornada que extravasa as duas horas de exibição de uma animação, uma experiência estendida de perceber o seu eu "antes e o depois" após assistir à história.



     E você, já assistiu a esse lindo filme?!  Escreva suas impressões nos comentários! Se ainda não, está mais que recomendado!

     Até a próxima!


Crédito das imagens:

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Laços, babados e rendas: desabafos sobre questões relacionadas à moda lolita

     Não raro, muitas coisas me vêm à cabeça nos momentos mais improváveis... Esses dias foi enquanto secava meu cabelo. Simplesmente, me ocorreu: "lolita". Que bosta de nome é esse...?! Assim iniciaram algumas reflexões pessoais sobre questões referentes a essa moda que eu tanto gosto, mas que, às vezes, me deixa bastante incomodada!

     Enumerando, embora esse fato não esteja diretamente relacionado a uma ordem de "maior ou menor" incomodo!

     1) E alguém resolveu que "lolita" era um bom nome para uma moda...
     Ok, a moda se originou no Japão, um país de cultura completamente distinta, blablablá, mas, a partir do momento que ela saísse daquele arquipélago e seu nome fosse escutado pela primeira vez por ouvidos ocidentais, estava automaticamente fadada a más interpretações. E não deu outra.
    
     Para quem gosta do estilo - pessoas como eu, que participam de um fórum nacional, visitam sites de brands, planejam outfits, lêem e escrevem posts em seus blogs,... - acredito que não possa haver pior situação do que dizer que as roupas que você tanto ama fazem parte de uma moda chamada... lolita. Sim, porque, enquanto você explica que é uma moda japonesa, inspirada nas vestimentas dos períodos Rococó e vitoriano, com diversos subestilos e, relativamente, bastante popular entre jovens de 15 a 25 anos no mundo todo, as pessoas até te dão crédito. Pensam que você é criativa, te admiram por se vestir de um jeito diferente, até opinam e dizem que gostariam de tentar um outfit. Isso tudo até você falar o nome da moda. 

     Não sei quanto a você, mas perdi as contas de quantas vezes fiquei constrangida com a reação dos outros ao ecoarem: "Lolita?" O que é incrível! Duvido que alguma delas tenha lido Nabokov, e acredito que nem metade tenha assistido ao filme, mas todas automaticamente relacionam a uma certa personagem de comportamento depravado... Beleza. De irreverente à "danadinha" em menos de três segundos...


     2) Quando, como e por que, afinal, a moda surgiu?!
     Estou procurando por essas respostas há um bom tempo... Saber que lolita existe desde a década de 80 em função da criação de brands como Angelic Pretty é uma coisa. Eu quero saber mais!! Já li muitas coisas, mas ainda não senti que encontrei as respostas. O que me faz pensar: ou são realmente absurdas, ou ando extremamente receosa em relação ao conteúdo que encontro. Afinal, com quanto lixo você já não deve ter se deparado pela Internet, não é mesmo? Não me sinto culpada por exigir certa credibilidade no que me disponho a ler.


     3) Lolita e cosplay...
     Tensíssimo! A ignorância rola solta e, se me permite um pequeno exemplo pessoal, semana passada, ao postar para uma amiga no Facebook uma imagem com exemplos de coordinates gyaru, alguém comentou: "Que legal, cosplay lolita!" o.o Ou seja, basta você dizer que gosta ou está vestido com uma moda oriental e o povo relaciona de cara com cosplay...

     Mas o pior seja, talvez, algumas pessoas que, dizendo "estar de lolita" enquanto usam alguma adaptação fajuta de cosplay e fazem caras e bocas em fotos, acabam promovendo ainda mais ideias equivocadas sobre o estilo... 


     4) Comportamento e biotipo lolita
     Se a gente ganhasse, que seja, R$ 1, por cada vez que constatasse que tem gente que se preocupa em procurar/criar um comportamento/biotipo especial para lolita...

     Poxa vida! Você não deixa de ser o que é porque está se vestindo de uma forma não usual. Lolita é moda! Ponto. Não tem uma "filosofia" por traz disso. São, pura e simplesmente, roupas! Logo, não importa a sua personalidade, a sua forma de pensar ou suas características físicas. Todos que quiserem e sentirem-se confortáveis com a ideia de se vestir de acordo com o estilo estão "potencialmente qualificados". Não é preciso se comportar, falar, pensar de forma diferente ou mudar seu tipo físico para isso. Porque, sinceramente, se fosse assim, como você lidaria com a situação de gostar de 5 modas completamente distintas umas das outras? Desenvolveria, por acaso, múltipla personalidade?!


     5) Lifestyle lolita
     Nem sei se seria necessário separar este meu "parágrafo de indignação" da questão anterior, mas... Enfim, eu acredito que muito do que se busca esclarecer para compreender o que seria um lifestyle lolita está relacionado ao fato de que, em algum lugar, não se vê que, primeiro: lolita é uma moda; segundo: inspirada no Rococó e no vitoriano.

     Querer trazer o estilo de vida das mulheres da França do século XVIII, para mim, é muita piração! Confesso que adoro bordar, ler e desenhar, mas daí considerar essas atividades como um estilo de vida lolita?! Eu não faço isso o tempo todo! E muito menos relaciono isso a algo exclusivamente lolita. Será que não seria muito mais fácil considerar a moda como parte do seu próprio estilo de vida?! Seria isso, na minha opinião, gastar bem menos tempo tentando definir/adequar atividades pertencentes a um tipo de vida que nenhuma de nós, de fato, pode ou gostaria de manter em 100% de seu tempo.



     Ufa! Consegui! Essas coisinhas estavam me sufocando!! Acho que é o que acontece quando se gosta muito de algo mas, indiscutivelmente, sempre há ideias equivocadas girando ao redor dela. Para mim, demonstrar o quanto eu realmente admiro a moda lolita, é sempre um desafio... Porque, simplesmente, não consigo deixar passar batido impressões erradas e preconceitos bobos, gerados por pura ignorância. Sorte que eu sou teimosa e, sabe-se lá de onde, eu encontro força para tentar trazer um pouquinho de entendimento aos outros... E maior sorte ainda por saber que não estou sozinha nessa! o/

     Desabafos feitos, vou ficando por aqui!
    Se você também já passou por uma situação estranha ou tem suas próprias questões inquietantes em relação a lolita, escreva sobre alguma nos comentários! Vamos trocar uma ideia! ;)

     Até a próxima!!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Construindo um guarda-roupa Mori Girl

     Na postagem em que procurei trazer algumas ideias para brasileiras que quisessem usar outfits mori girl no verão, apareceu uma sugestão bem interessante em um dos comentários (ainda que, infelizmente, anônimo!): a de elaborar posts sobre como construir um guarda-roupa dolly kei e mori girl, como o que temos para lolita, traduzido pela Ichigo.

     Pois bem, eu aceitei o desafio! Desafio porque, eu mesma, pensando em deixar apenas de olhar e escrever, pretendo usar mori girl no meu dia a dia. Então, acho que essa será a oportunidade para organizar as ideias e poder dividir com você o que eu acredito que possam ser boas aquisições para iniciar um guarda-roupa nesse estilo.

      Para começar, algumas dicas gerais e que acho interessantes:

      1) Diferente de lolita, mori girl não é um estilo caro, porque muitas das roupas usadas para outfits mori já estão no seu guarda-roupa. E, mesmo se você precisar comprar, certamente vai encontrar tudo o que precisa em lojas de departamento, sem precisar pensar em importar ou mandar fazer. Por esse motivo, não me ative em recomendar que peças poderiam ser chaves ou em um determinado número de exemplares para adquirir, muito menos no que você deve comprar prioritariamente: isso é você quem deve decidir, de acordo com seu gosto pessoal;

     2) Visite feiras de artesanato, bancas de briks, lojas de artigos locais: além de aprender a valorizar os artigos vendidos aí, muito deles podem ser vistos como possibilidades interessantes para serem introduzidos no estilo, personalizando seus outfits dentro da proposta mori;

     3) Tenha uma máquina de costura à disposição: mesmo se você não é uma exímia costureira, vai poder se divertir confeccionando peças simples para seu guarda-roupa, como saias, lenços e bolsas, que nunca são demais!

     4) Pesquise técnicas de customização: roupas que você não pensa usar mais podem ganhar um novo visual, ou mesmo, uma nova função com pouco investimento!

    5) Seja criativa e deixe seus outfits refletirem a sua personalidade! *Com bom senso, claro!*

     Bem, após essas dicas, vamos, então, retomar algumas características básicas do mori girl para podermos projetarmos as peças que vão fazer parte do nosso armário!

     Raio "X" Mori Girl
     ❀ Princípio fundamental: sobreposições a partir de peças de materiais naturais
     ❀ Materiais: algodão, lã, linho, couro
    ❀ Cores: as que você preferir! Podem seguir uma paleta em tons terrosos (marrons, amarelos, creme...), pastéis (rosa, azul, verde, lilás), profundos (bordô, azul marinho, verde musgo, petróleo), fortes (laranja, verde, vermelho, azul), monocromáticos (cinzas, preto, branco)... Não há regras! Basta seguir a forma como você achar melhor combiná-las.
     ❀ Apresentação das roupas: peças bastante folgadas e confortáveis. Não há uso de acessórios com a preocupação de definir silhuetas.

     Peças básicas
     Como não há peças com características extremamente definidas e próprias, como em lolita, não há padrões dentro do guarda-roupa mori. Como escrito mais acima, dependendo da região do Brasil em que você mora, é capaz de você ter muitas das peças a seguir! Sendo uma moda bastante usual (claro que você pode fazer muitas adaptações, deixando-a mais ou menos casuais!), provavelmente o que você adquirir vai ser usado fora de outfits mori girl também. Logo, essa representa uma vantagem grande sobre outras modas japonesas!

     Vamos começar!



     Itens Primavera-Verão
     Para manter as sobreposições, o vestuário pesado do inverno é substituído por: 
     ❀ vestidos; 
     ❀ saias;
     ❀ calça jeans, bermudas;
     ❀ batas de manga comprida e curta;
     ❀ camisetas, regatas;
     ❀ coletes, boleros, cardigãs;
     ❀ lenços;
     ❀ sandálias, tamancos, chinelos...
   

     No que vale a pena investir?
     Aproveite o verão para comprar bolsas e chapéus de palha! São itens que você poderá incluir no seu dia a dia durante essa estação (se você veraneia, então, vai usar direto!). Batas lindas podem ser encontradas nas lojas de departamento na seção de moda praia. 


     Algumas coisas a lembrar...
    Como você pode perceber, não são peças "de outro mundo"! Esses itens não são nada difíceis de se ter! Porém, é sempre importante recordar:

     ❀ Nenhuma dessas roupas deve ser apertada! Mori girl é "amorfo" (ainda que possamos encontrar artigos que o delineiem como "A line"). Nada de saias curtíssimas, vestidos colados e calças super justas!

     ❀ Cuidado com as estampas dos vestidos: prefira prints delicadas, florais, por exemplo, ou tecidos lisos ao invés daquela profusão de cores psicodélicas que não combinam em nada com o estilo;

     ❀ Você não precisa comprar camisetas e regatas "exclusivas" para usar em mori: separe peças lisas para fazer aplicações de renda, detalhes com babados e laços! Procure por materiais criativos em armarinhos e dê uma olhada se você não tem retalhos de tecidos, miçangas e fitas esquecidos em alguma gaveta!



     ❀ Quanto a saias: se você pretende fazer sobreposições, um bom investimento é comprar uma mais comprida e em cor clara e lisa, off-white, por exemplo. Por cima dela, qualquer outra estampada ou lisa fica bem! Se achar que o clima não permite sobrepor, prefira saias com barras rendadas ou franzidas. Dá ainda para aplicar camadas extras de tecidos diferentes a elas, dando um falso efeito de sobreposição!



     ❀ Uma ideia que eu acho bem interessante também é... Não sei o nome! É uma saia, mas com alcinhas costuradas que permitem virar um vestido! Bem funcional, não?!







     Itens Outono-Inverno
     Meninas que moram em cidades frias podem aproveitar e usar outfits do estilo o ano todo! o/ Se esse for o seu caso, provavelmente a única preocupação que você terá será a de combinar cores, porque, no mais, as peças usadas nessas estações são:
     ❀ casacos, blusões de lã, coletes e cardigãs;
     ❀ saias;
     ❀ calça jeans
     ❀ meias de vários comprimentos, cores e estampas;
     ❀ cachecóis, lenços;
     ❀ ponchos;
     ❀ gorros, boinas;
     ❀ luvas, polainas e armwears;
     ❀ oxfords, botas, tamancos, tênis


     Se no verão, em geral, as cores e estampas parecem tender a tons pastéis, no inverno, laranjas, vermelhos e verdes vivos surgem nas peças de lã! Claro que tons mais suaves, e mesmo profundos, também se fazem presentes, mas eu gosto de pensar que cores vívidas alegram e aquecem mais!


     No que vale a pena investir?
     Com certeza, a melhor época para engordar seu guarda-roupa de inverno é nas liquidações que se seguem a partir de outubro, quando botas, por exemplo, que podem ser o item mais caro, podem ter seu preço reduzido à metade. Bons casacos de lã, dependendo da loja, chegam a descontos de até 70%! 
   
     Algumas coisas a lembrar...
     ❀ Para aproveitar ainda mais a vantagem das liquidações, principalmente no quesito calçados, procure fugir de modismos e invista em modelos mais clássicos, a fim de resistirem a mais de uma estação. Alguns detalhes, no entanto, que são bastante valorizados em sapatos para outfits mori, são botas e oxfords com, por exemplo, franjas de couro ou aplicação de peles falsas, principalmente imitações de pelego;



     ❀ Casacos de lã são, provavelmente, as peças com maior liberdade para aquisição, pois a variedade oferecida pelas lojas é muito grande. Você pode escolher por cores, padrões de pontos e comprimentos que mais combinam com seu gosto - são itens que muito dificilmente vão se apegar a modismos. Pensando em sobreposições, é interessante que você tenha casacos maiores e mais compridos para vestí-los sobre os mais justos ao seu corpo. Casacos de lã, para quem mora em Estados frios são SEMPRE excelentes aquisições;



     ❀ Se você gosta de tricot e crochet, aproveite para fazer seus próprios cachecóis, luvas e enfeites para cardigãs e casacos! Além de dar um toque pessoal, pode ser um ótimo passatempo para as férias de inverno!





     Espero que essa postagem possa ter ajudado a visualizar, de um modo geral, as peças que compõem um guarda-roupa mori girl. Longe de brands (ainda que todas as imagens que usei como referência sejam da Cawaii One Piece - aparentemente minha loja preferida... u.u Relevem!) e regras detalhadas, você deve ter percebido que é um estilo bastante intuitivo e, desde que você se lembre da essência da moda, está livre para criar os mais diferentes outfits!

     Vou ficando por aqui, desejando boa sorte a quem decidir trazer um pouquinho do mori girl para o seu dia a dia! 

     Ah! Também gostaria de saber o que você achou sobre o post! Portanto, se tiver um tempinho, não deixe de dar sua opinião! Ela significa bastante para mim!

     Até a próxima!!

❀ Crédito das imagens usadas para os banners: weheartit
❀ Tumbler pessoal com imagens de referência do estilo: Forest Fairy Tales

sábado, 7 de janeiro de 2012

Mori Girl versão Primavera-Verão

     Um dos maiores dilemas enfrentados por brasileiras que amam modas japonesas é a inviabilidade de fazer outfits que contenham muitas sobreposições. Após escrever sobre Dolly Kei, procurei fazer uma postagem com alternativas para usar essa moda nas estações mais quentes do ano (ou, em alguns Estados, para o ano todo! xD). Hoje chegou a vez de trazer algumas ideias para quem gosta de Mori Girl e gostaria de fazer coordinates mais fresquinhos.

     O que muda:
    ❀ Basicamente, para manter o estilo, mas sem morrer de calor (bem, só um pouquinho, talvez! ^^), o número de sobreposições é diminuído drasticamente! As combinações mais comuns para primavera e verão são:
     vestido sobre: blusa; saia; calça
     saia sobre: saia; calça
     colete ou bolero sobre: vestido; blusa

     ❀ Cores: tons claros predominam - off-white, rosa, verde e azul são bastante comuns, seja em tecidos lisos ou em estampas, quase todas remetendo a flores;

     ❀ Meias: de algodão, claras, curtas e com babado ou renda;

    Sandálias, tamancos e chinelos: geralmente em couro, em tons terrosos ou bastante coloridos, substituem as famosas botas! Podem ser altos ou rasteiros;

     ❀ Acessórios: chapéus de palha, lenços de renda ou estampados com flores, acessórios de cabelo com aplicação de renda de algodão e flores, bolsas de tecido e maletas de palha.

     Vendo na prática!
     Mais uma vez, as duas lojas que vão protagonizar os exemplos de outfits serão a Cawaii One Piece e a Favorite One (fotos com fundo de tábuas brancas), por trazerem, na minha opinião, as melhores sugestões (sem contar que as fotos são lindas!).

     Vestidos






     Vestidos sobre calça



     Saias




     Blusa e calça




     O que provavelmente você deve ter no seu guarda-roupa... E como pode adicionar toques "morigirlísticos"!

Regatas todas temos! Uma rápida ida a um armarinho e alguns pontinhos mais tarde...
ela se transforma em uma peça muito mais romântica!
Dê uma olhada na ideia deste vídeo aqui!

Jeans é um material que também aparece no que eu poderia pensar, 
outfits mais "casuais"?!
A cor predominante é essa acima mesmo, um brim "lavado". 
Como todo mundo tem uma
calça desbotada no armário, dá para se aventurar a costurar uma barrinha com renda. 
Se não gostar, não tem problema... Só descosturar ou baixar a dobra!


Chapéus!
Verão é a época ideal para comprá-los! 
Se você já tem um, pode enfeitá-lo com fitas, flores, rendas, laços...



Brasileiras costumam ter muitas sandálias!
Na atual estação, a tendência são flores, tecidos e pérolas.
Também dá para customizar aquela que ficou de escanteio...
Miçangas coloridas dão um up em outfits com cores mais claras. 
Lantejoulas lembram o brilho das asas de libélulas!
Retalhos de renda e tecido são reutilizados!


Para as meninas que quiserem usar meias, a dica seria adicionar "sock toppers".
Você pode fazer um par deles a partir do tutorial do blog Gothic Lolita Sewing!



Bolsas estilo mochila em tecido são uma boa aposta.
O modelo acima mistura patchwork e doily em crochet.
Lembrei que, há muito tempo, eu havia encontrado um tutorial super
legal para estilizar eco bags no blog de Susie Harris. Acho que combina com a proposta, sem contar que o custo sai extremamente em conta!

Clique sobre a imagem para ir ao tutorial!


Para acessórios, dê uma olhadinha na seção "Become Vintage" aqui do blog! 
Eu indico peças que tenham renda, laços, pérolas, flores em geral, tirinhas de couro, elementos que ficam bem Mori Girl. Alguns exemplos:


 
Flamingo Toes e minha versão!


 

 


     Penteados:
     Sou cara de pau mesmo... Vou indicar os vídeos que eu mais gosto para penteados e que coloquei os links nesta postagem!

     Que eu consiga me lembrar, essas eram as ideias que eu tinha. É bem provável que possa re-editar, acrescentando algo mais. Acho que inspiração NUNCA é demais, não é?! Então, espero que essas dicas possam ser úteis para você!!

     Ah! Gostou do post?! Tem alguma sugestão?! Gostaria de fazer alguma crítica?! Por favor, deixe um comentário! Vamos trocar uma ideia! Ou várias!

     Até a próxima!! :D


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...